Política

Sem mencionar caso Pazuello, Bolsonaro fala sobre disciplina militar em ‘live’ na internet

Em uma transmissão ao vivo pela internet, o presidente Jair Bolsonaro fez comentários nesta quinta-feira (3) sobre a disciplina militar, sem mencionar a decisão do Exército sobre o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Horas antes da “live” de Bolsonaro, o Exército anunciou em nota que não vai punir Pazuello — general da ativa — por ter participado no último dia 23 de um ato político ao lado de Bolsonaro, no Rio de Janeiro. O Regulamento Disciplinar do Exército e o Estatuto das Forças Armadas proíbem a participação de militares da ativa em manifestações políticas.

Na nota, o comando do Exército informou que não ficou “caracterizada a prática de transgressão disciplinar” por Pazuello. Com isso, o processo disciplinar aberto pela instituição para apurar o caso foi arquivado.

“A punição, pessoal, existe, nas Forças Armadas. Ninguém interfere. A decisão ali é do chefe imediato dele ou do comandante da unidade, e a disciplina só existe porque realmente o nosso código disciplinar é bastante rígido”, afirmou Bolsonaro na “live”.

5 pontos sobre: Pazuello escapa de punição do Exército

A punição para Pazuello poderia ir de advertência à prisão. Nos bastidores, Bolsonaro defendeu que o ex-ministro não fosse punido. Além de militar da reserva, o presidente é o comandante em chefe das Forças Armadas – por isso, superior hierárquico do comandante do Exército, Paulo Sérgio Oliveira.

Nesta semana, enquanto o processo disciplinar no Exército ainda tramitava, Pazuello foi nomeado por Bolsonaro para um cargo na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, que funciona no Palácio do Planalto.

Segundo militares ouvidos pelos blogs de Gerson Camarotti e de Valdo Cruz, a decisão do comando pode introduzir o “vírus da insubordinação” no Exército e gerar problemas com a tropa. O vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão, não quis comentar a decisão, mas já havia manifestado preocupação com a possibilidade de “anarquia” no Exército.

Na “live” na internet, Bolsonaro afirmou que o ônus da prova “cabe a quem acusa”.

“Então, assim funciona. Eu já fui punido no Exército brasileiro, 15 dias de cadeia. Quando eu fiz a matéria na revista ‘Veja’ em 1986” — ele se referia a um artigo que escreveu na revista no qual reclamava dos baixos soldos dos militares à época.


Fonte: G1 – Política

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo