Política

Cúpula da CPI decide votar convite a Osmar Terra e convocação da médica Ludhmila Hajjar | Blog do Gerson Camarotti

Em reunião virtual que terminou no início da tarde deste domingo (6), o chamado “G7”, grupo majoritário da CPI da Covid, decidiu abrir novas frentes de investigação.

Os senadores do grupo pretendem aprovar a convocação da médica Ludhmila Hajjar, que rejeitou convite para ser ministra da Saúde, e um convite para o deputado Osmar Terra (MDB-RS), apontado como articulador do chamado “gabinete paralelo” da Saúde no Palácio do Planalto.

Os senadores também querem votar a quebra da classificação de “sigiloso” ou “reservado” de documentos enviados pelo Ministério da Saúde e pelo Itamaraty a fim de dar divulgação ao material.

Todos esses requerimentos devem ser votados na terça-feira (8), em reunião da CPI a ser realizada depois da audiência para depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

A intenção é ouvir Ludhmila Hajjar no próximo dia 14. Ela é considerada fundamental para esclarecer os motivos pelos quais não aceitou suceder Eduardo Pazuello como ministra da Saúde (vídeo abaixo).

Cardiologista Ludhmila Hajjar comenta recusa à pasta da Saúde e relata ameaças

Segundo afirmou ao Blog o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a expectativa é que o depoimento dela proporcione novos elementos na investigação do “gabinete paralelo”.

Nessa mesma linha, a CPI quer ouvir o deputado Osmar Terra, apontado na investigação da CPI como uma espécie de ministro informal, como ficou evidenciado, segundo a cúpula da CPI, no vídeo que registrou reunião do suposto gabinete no Palácio do Planalto com a presença do presidente Jair Bolsonaro (vídeo abaixo) — segundo Terra, o “gabinete paralelo” é uma “ficção”.

Vídeo de reunião no Planalto reforça suspeita da CPI de 'gabinete paralelo' da Saúde

Vídeo de reunião no Planalto reforça suspeita da CPI de ‘gabinete paralelo’ da Saúde

Entre os documentos oficiais aos quais a CPI quer dar publicidade, está o pedido formal do Itamaraty de liberação de uma carga de insumos para fabricação de cloroquina que estava retida em um porto na Índia em março do ano passado. A carga tinha sido encomendada por um laboratório brasileiro.

“Isso evidencia advocacia administrativa por parte do Itamaraty, que trabalhou pelos interesses de um laboratório privado”, disse Randolfe Rodrigues.

Segundo ele , a cúpula da CPI também pretende perseguir o caminho do dinheiro movimentado pelo governo federal a fim de financiar a produção de cloroquina, como também o que teria sido usado para a disseminação pelas redes sociais do tratamento precoce, que inclui a cloroquina e cuja ineficácia para a Covid é cientificamente comprovada.


Fonte: G1 – Política

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo