Região

Vacinar alunos de 12 a 14 anos minimiza vetor da Covid, diz secretário de Betim

“Com a vacinação, queremos propiciar o retorno às aulas de forma organizada e segura”, diz Augusto Viana

“Com a vacinação, queremos propiciar o retorno às aulas de forma organizada e segura”, diz o secretário de Saúde de Betim, Augusto Viana, sobre imunização de alunos de 12 a 14 anos.

Ele afirma que, com a ação inédita, a taxa de contaminação na cidade deve cair. O processo no município seguirá conforme o Plano Nacional de Imunizações.

Leia a entrevista na íntegra:

Por que os estudantes de 12 a 14 anos estão sendo imunizados?

Em Betim, atualmente, estamos imunizando os profissionais da educação, das redes pública, privada e estadual, com o objetivo de retomar, o mais breve possível e com total segurança, as aulas na cidade.

Na semana passada, a Anvisa autorizou a utilização da Pfizer em adolescentes de 12 a 17 anos. O Ministério da Saúde, por meio da Resolução 717, orienta, concomitantemente, a aplicação de imunizantes contra a Covid-19 em outros grupos que não sejam os que estão previstos no Plano Nacional de Imunizações (PNI).

Como a vacina da Pfizer tem a autorização da Anvisa para ser usada em pessoas a partir de 12 anos, a Prefeitura de Betim travou uma discussão interna e, por analogia a essa resolução, decidiu aplicar, neste momento, o imunizante Pfizer nesse grupo de 12 a 14 anos.

No nosso entendimento, é preciso irmos a cada escola vacinar todo esse público-alvo de uma única vez para, assim, propiciarmos o retorno às aulas de forma organizada para os estudantes desses três anos. 

Mas, com isso, como fica a vacinação do grupo prioritário do Plano Nacional de Imunizações? A vacinação em Betim continuará seguindo a ordem decrescente por faixa etária?

Sim. O município de Betim assegura o cumprimento da vacinação de todos os grupos que estão no Plano Nacional de Imunizações.

Desde terça, as pessoas com 59 anos e aquelas com deficiência permanente, sendo essa última de qualquer idade, independentemente de receberem o Benefício de Prestação Continuada, começaram a receber as doses.

Também estamos vacinando os profissionais da limpeza urbana, os caminhoneiros, os motoristas de transporte de passageiros, além de trabalhadores portuários.

Ainda na terça, começamos a convocar novamente as pessoas de 40 a 49 anos com comorbidade, que se cadastraram no site da prefeitura e que ainda não receberam a vacina para se imunizarem. 

Ao vacinar estudantes entre 12 e 14 anos, pode haver queda na taxa de contaminação em Betim?

Há indicativos de que os adolescentes entre 12 e 17 anos são um dos maiores vetores do novo coronavírus. Por isso, no nosso entendimento, ao decidirmos imunizar os professores e estudantes dessa faixa etária, haverá, sem dúvida nenhuma, um reflexo na diminuição da transmissão do vírus em Betim, principalmente no meio educacional.

Além disso, com essa medida, Betim cria mais um pilar no enfrentamento da Covid. Nós, ao longo de todo esse tempo, procuramos conciliar a saúde com a economia e agora a educação.

O nosso município ainda detém um percentual de analfabetos funcionais (5.800 betinenses em 2016). Então, sem dúvida nenhuma, essa ação de fortalecimento da educação, por meio da imunização dos profissionais e agora dos estudantes do 7º, 8º e 9º ano, contribuirá para a diminuição do analfabetismo funcional principalmente nessa faixa etária. 

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que a orientação é para que Estados e municípios sigam o que é recomendado pela pasta. No entanto, afirmou que os gestores locais do SUS têm autonomia para seguir com a própria estratégia de vacinação. Isso referenda a atitude adotada pelo município de imunizar os estudantes de 12 a 14 anos?

O município de Betim soma-se àqueles que entendem que o Plano Nacional de Imunizações não pode ser estático.

Ele deve ser aperfeiçoado a cada realidade. Com a chegada da autorização para a utilização da vacina Pfizer em adolescentes, no nosso entendimento, o Ministério da Saúde deveria, de imediato, corrigir o plano nacional, para que possamos imunizar estes estudantes e garantir o retorno às aulas imediatamente, de forma segura e planejada. 




Fonte: Fonte: Jornal O Tempo

Jornal O Tempo

No mercado nacional de jornais impressos desde 1996, diariamente o jornal O TEMPO apresenta Minas, o Brasil e o mundo em uma cobertura de forte compromisso No mercado nacional de jornais impressos desde 1996, diariamente o jornal O TEMPO apresenta Minas, o Brasil e o mundo em uma cobertura de forte compromisso com o interesse do leitor. O periódico é composto por editorias que percorrem os diversos fatos do cotidiano da população, além de um conjunto de cadernos voltados para segmentos como turismo, automóveis, emprego e moda. Esse canal é feito para entrar em contato com você. Conecte-se a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo