Região

UFJF convoca voluntários para estudo com vacina BCG contra a Covid-19

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) convoca voluntários para participarem de um estudo que vai avaliar a eficácia da vacina BCG contra a forma grave da Covid-19 em Juiz de Fora. A pesquisa é realizada pela instituição com a colaboração da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Veja abaixo como funciona o estudo e como participar.

De acordo com a universidade, os escolhidos passarão por entrevistas, testagens sorológicas e, uma vez selecionados, serão vacinados com a BCG e acompanhados ao longo de seis meses.

No Brasil, outras instituição já realizam o teste com a vacina, como a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

  • UFRJ inicia testes com vacina BCG na prevenção à Covid-19
  • Santa Casa participa de testes da vacina BCG contra Covid-19 e monta posto de vacinação para voluntários

As inscrições para os voluntários são realizadas virtualmente pelo e-mail bcgcovid.fiocruz.jf@gmail.com ou pelo número (32) 99826-8179, que é WhatsApp. Confira abaixo quem pode participar:

  • Pessoas que tenham entre 20 e 50 anos;
  • Que morem com profissionais da saúde ou militares (incluindo bombeiros) em atividade;
  • Não tenham sido infectadas pelo coronavírus;
  • Não tenham sido vacinadas contra a Covid-19 – nem que estejam próximos de receber a vacinação;
  • Não estejam grávidas ou amamentando;
  • Não tenham diabetes ou hipertensão descontroladas;
  • Não tenham doenças ou alergias graves.

Como vai funcionar a pesquisa?

Segundo a UFJF, uma vez selecionados, os voluntários do projeto serão separados por meio de sorteio em dois grupos: um deles receberá a vacina BCG e o outro receberá placebo (um solvente inofensivo). Ao fim do estudo, os participantes saberão de qual grupo fizeram parte.

No primeiro dia como integrantes da pesquisa, os voluntários passarão por uma entrevista e uma coleta de amostra sanguínea, para que a equipe de cientistas verifique a presença de anticorpos contra a Covid-19 – o que indicará se os participantes contraíram a doença e foram assintomáticos.

A entrevista e a coleta de sangue para testagem será repetida a cada dois meses.

Caso um integrante apresente sintomas suspeitos da Covid-19 ao longo dos seis meses de estudo, o mesmo deve comunicar aos pesquisadores.

A participação no estudo não impede que os voluntários recebam a vacinação contra o novo coronavírus, caso a mesma seja disponibilizada durante o período de vigência do projeto.

Conforme a UFJF, “a única exigência é avisar com antecedência os cientistas responsáveis. Neste caso, o acompanhamento também continua até o fim do estudo”.

De acordo com a pesquisadora Kézia Scopel, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFJF e integrante do projeto, a participação voluntária é conduzida de forma completamente segura.

“Sabe-se por meio de estudos científicos que a BCG tem efeitos benéficos heterólogos na morbimortalidade geral, atuando contra infecções inespecíficas por um processo denominado ‘imunidade treinada’. Isso tem sido observado não só em crianças e adultos jovens, mas também em idosos”, explicou.

Disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), a vacina BCG é obrigatória no Brasil para recém-nascidos desde 1976. Porém, pode ser tomada até os 4 anos de idade. O imunizante protege crianças de até 5 anos das formas mais graves da tuberculose.

VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campo das Vertentes


Fonte: G1 – Zona da Mata

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo