Região

STJ encerra ação sobre furto de frango de R$ 4 em MG: ‘condição de miséria’

Suspeito furtou dois pedaços de steak de frango de um supermercado em Araxá, e a ação contra ele foi mantida pelo TJMG mesmo depois do delegado atestar que o homem vivia em ‘condição de miséria’

Furtar para comer foi o crime atribuído a um morador de Araxá, no Alto Paranaíba, que subtraiu dois pedaços de steak de frango, de R$ 4, de um mercado no município. A acusação contra ele foi parar no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, à última terça-feira (1º), decidiu pelo encerramento da ação contra o homem. O furto foi cometido em 2017, e, à época, o delegado da Polícia Civil que recebeu a ocorrência sinalizou que o suspeito vivia em “condição de miséria” e pontuou que havia indícios de que o crime foi cometido para consumo próprio – o que é considerado “furto famélico”. Apesar das ponderações do delegado, a ação contra o morador de Araxá foi mantida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). 

Em julgamento, a Sexta Turma do STJ decidiu pelo trancamento da ação penal contra o homem por avaliar o baixo valor dos produtos furtados e os elementos citados pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG). Ministros também criticaram que casos “absurdos” como esse sejam mandados para o Superior Tribunal. A relatoria pelo encerramento da ação coube ao ministro Rogerio Schietti Cruz, que julgou a presença de “excessivo rigor” no parecer do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e na decisão do tribunal mineiro contra o suspeito do furto. 

Segundo ele, o TJMG decidiu seguir com a ação penal por entender que ali não poderia ser aplicado o princípio da insignificância – que, no caso, refere-se à quantia de R$ 4, preço dos itens furtados. De acordo com o ministro, para o Tribunal de Justiça, fosse aplicado o princípio, seria um estímulo à prática criminosa. Schietti Cruz discorda. Ele ponderou que é necessário o judiciário avaliar o significado do crime cometido, e citou que o preço total da mercadoria equivalia a 0,47% do salário mínimo em 2017, destacando que a vítima foi uma empresa. 

O encerramento da ação também se sustenta pelas afirmações do delegado de polícia que registrou a ocorrência. No documento, o policial indicou que o autor do furto de frango vivia em “condição de miséria”. “É de se concluir, portanto, que as peculiaridades do caso concreto não autorizam a atividade punitiva estatal”, escreveu o relator em seu voto pelo trancamento do processo. 

Para o ministro Sebastião Reis Júnior, que também votou pelo fim da ação, é “absurdo” que o STJ tenha que discutir o furto de um produto de R$ 4, uma vez que o custo da tramitação do processo é maior. “Essa situação ocorre porque a advocacia e o Ministério Público insistem em teses superadas, mas também porque os tribunais se recusam a aplicar os entendimentos pacificados no STJ. No Legislativo, discute-se o aumento das penas, mas não se debate a ressocialização e a prevenção de crimes”, criticou. 

(Com Superior Tribunal de Justiça)




Fonte: Fonte: Jornal O Tempo

Jornal O Tempo

No mercado nacional de jornais impressos desde 1996, diariamente o jornal O TEMPO apresenta Minas, o Brasil e o mundo em uma cobertura de forte compromisso No mercado nacional de jornais impressos desde 1996, diariamente o jornal O TEMPO apresenta Minas, o Brasil e o mundo em uma cobertura de forte compromisso com o interesse do leitor. O periódico é composto por editorias que percorrem os diversos fatos do cotidiano da população, além de um conjunto de cadernos voltados para segmentos como turismo, automóveis, emprego e moda. Esse canal é feito para entrar em contato com você. Conecte-se a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo