Região

Notícia » Filha descobre morte da mãe ao ver corpo fora do necrotério de UPA de BH; espaço estava lotado

 

A Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Pampulha, em Belo Horizonte, registrou, nessa quarta-feira (31), cinco mortes por Covid-19. Duas vítimas foram levadas para o necrotério e outras três, por falta de espaço, ficaram em frente à sala de emergência, à vista de visitantes, na manhã desta quinta-feira (1), enquanto era aguardada a remoção para o Instituto Médico-Legal (IML). Foi assim que, de acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindibel), uma mulher descobriu que a mãe dela tinha perdido a batalha para o novo coronavírus.

A situação foi denunciada pela entidade representativa horas depois do ocorrido. De acordo com o sindicato, apenas entre a última sexta-feira (26) e as 10h desta quinta, 59 pessoas morreram pela enfermidade nas UPAs da capital, o que expõe a dificuldade que as unidades têm enfrentado em meio à crise sanitária vivenciada.

“É o reflexo do que a gente já vem falando há mais de uma semana: o agravamento da pandemia e a falta de infraestrutura nas UPAs para funcionarem como se fossem hospitais. Um outro reflexo é na rede funerária, que está sobrecarregada. Houve uma demora para levar para o IML”, relatou Israel Arimar de Moura, presidente do Sindibel.

Mulher reconheceu mãe

De acordo com o sindicalista, a UPA Pampulha viveu uma situação lamentável na manhã desta quinta, quando uma mulher chegou para obter informações sobre a mãe internada no local e encontrou o corpo da vítima, que estava coberta, na área fora do necrotério. 

“Isso gerou um drama humano muito difícil, com ela e os funcionários chorando. Estão sobrecarregados. Não havia tido tempo de avisar a família [da vítima] sobre a morte. Isso é mais uma demonstração de que UPAs não têm equipamentos e funcionários para funcionarem como hospitais”, afirmou Israel Arimar.

Ainda segundo o Sindibel, a UPA Pampulha tem oito pessoas intubadas com Covid-19 nesta quinta. O total de pacientes em todas as unidades não foi informado devido, segundo o presidente do sindicato, à mobilidade dos números.

PBH

Em nota, a PBH lamentou os óbitos e informou que as mortes não ocorreram por falta de assistência no local. “Foram de pacientes que estavam sendo assistidos conforme necessidade do momento. A prefeitura tem trabalhado, de forma incansável, para abrir novos leitos no município e manter a assistência médica à população”, declarou.

O Executivo informou que a metrópole, “assim como todo o país, se encontra em uma situação grave em relação à pandemia da Covid-19”. “As UPAs da capital têm apresentado aumento na procura por atendimento nas unidades e a Secretaria Municipal de Saúde trabalha de forma ininterrupta para que todos os pacientes sejam atendidos. Porém, a Covid-19 é uma doença grave e muitos casos evoluem para óbito”, complementou.

Por fim, a gestão municipal explicou que foi aberto o Centro de Saúde Santa Terezinha, também na região da Pampulha, onde está sendo prestada assistência a quem não apresenta sintomas respiratórios e é classificado como baixa e média complexidades, além de casos de pediatria.

Conforme a PBH, a estratégia visa a ampliar o atendimento dos pacientes da região, deixando as UPAs dedicadas, prioritariamente, ao atendimento dos casos sintomáticos respiratórios.

 

Fonte: Hoje em Dia


Fonte: Fonte: Rádio Jornal Leopoldina

Rádio Jornal de Leopoldina

Informação, bate papo e musical de qualidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo