Região

Mesmo com a pandemia, agências de viagens de Juiz de Fora registram alta na procura por pacotes de viagens para o fim do ano

O turismo foi um dos setores econômicos mais atingidos pela pandemia de Covid-19. O setor, no entanto, começa a esboçar uma recuperação e as agências de Juiz de Fora registram aumento na procura por pacotes de viagens para o final do ano em comparação a 2020.

O G1 entrevistou três estabelecimento do município e fez um levantamento sobre vendas de pacotes, destinos mais procurados, valores e orientações durante a pandemia.

Além disso, veja na reportagem uma entrevista com um economista, que dá dicas para escolher a melhor opção de viagem e com um infectologista, que dá orientações sobre como se proteger do coronavírus durante o passeio.

Segundo a sócia gerente da “Flytour”, Cláudia Wischansky, houve um aumento na procura a partir do avanço da vacinação em todo o país. Entretanto, o número de vendas ainda não se compara ao registrado antes da pandemia.

“A procura para as férias de verão 2019/2020 estava mais aquecida do que neste momento porque os números da pandemia haviam cedido bastante e as pessoas estavam confiantes. Confiança esta que foi minada pelo aumento de casos pós período eleitoral e o novo pico da doença que se deu a partir daí. Ainda estamos no caminho de recuperação, até porque não há oferta de lugares ainda para o período antes da pandemia”, explicou.

Apesar disso, Cláudia afirmou estar confiante na recuperação do setor, na medida que a população estiver completamente imunizada.

Já na agência “DC Tur”, funcionários explicaram que a procura para o fim de ano ainda é baixa, entretanto, há procura para as férias de janeiro ou baixa temporada. Sobre o aumento das vendas com relação ao ano passado, Gioconda Macedo, responsável pelo atendimento, afirmou que muitos ainda estão com receio de viajar, mas que já tomaram a iniciativa de procurar e saber mais sobre os pacotes de viagem.

“Alguns fatores contribuem para acreditarmos em crescimento das vendas. Na medida que o tempo passa e as pessoas ganham confiança por estarem vacinadas e os países já liberando entrada de turistas brasileiros totalmente vacinados vai contribuindo muito. Além disso, estados brasileiros estão com diminuição de casos e o mais importante: a vontade de viajar”, analisou a atendente.

O G1 conversou também com Miriam Zanovello, proprietária da agência “Miriam Tur JF”. Ela informou que houve um aumento na procura, mas poucas vendas foram fechadas por causa do alto valor de hospedagem e passagens aéreas para o final do ano.

“As vendas estão aquecidas mais no setor rodoviário. Registramos um aumento de 70% com relação ao ano passado e esperamos que todos os setores adequem os valores para que haja uma recuperação do setor de vendas”, afirmou.

No que se refere aos valores das viagens, a gerente da “Flytour” explicou que a empresa tem pacotes a partir de R$ 1 mil, mas que tudo depende do destino, quantidade de dias e o tipo de passeio que o cliente deseja.

“Não há valores fixos em viagens porque há uma parcela de viajantes buscando promoções e outra que procura viagens diferenciadas, com muito conforto e experiências novas. Para os que procuram grandes promoções: as melhores estavam disponíveis no primeiro semestre! Aqueles que apostaram num bom 2º semestre e compraram a viagem com antecedência fizeram ótimos negócios. O que posso dizer para quem ainda está planejando viajar é que a antecedência na decisão de compra fará total diferença na relação custo X benefício da viagem desejada”, alertou Cláudia.

Apesar de não ter passado números para a reportagem, a agência “Dc Tur” explicou que tudo “depende do poder executivo do cliente e de outros fatores”.

Na agência “Miriam Tur JF”, a proprietária ponderou que “como tudo aumentou, os pacotes ainda estão com um valor acima do que era ofertado antes da pandemia, mas esperamos que haja uma estabilidade em breve”.

2 de 3 Lençóis Maranhenses, em Barreirinhas — Foto: Celso Tavares/G1

Lençóis Maranhenses, em Barreirinhas — Foto: Celso Tavares/G1

Entre os destinos mais procurados pelos juiz-foranos, locais com praia, com riquezas naturais e destinos ecológicos estão no topo da lista.

Segundo Cláudia, o nordeste do país é o mais procurado, assim como Jalapão, Bonito e lençóis maranhenses.

Sobre os destinos mais procurados, Gioconda contou que há pedido de viagens para dentro do Brasil e também para o exterior, com o intuito de visitar parentes que moram foram do país.

Na agência Miriam Tur JF, os destinos com praia, como Cabo Frio, Arraial do Cabo e nordeste são as preferências dos clientes.

De acordo com o economista Fernando Agra, o fato das pessoas voltarem a viajar movimenta o setor do turismo, importante economicamente.

“Isso tem um impacto positivo nos hotéis, restaurantes e no transporte e na empregabilidade uma vez que, no caso dos hotéis, que estão com a capacidade de hospedagem aumentada, eles precisam contratar mais funcionários que por causa da pandemia foram demitidos, então movimenta não só o turismo e, sim, a economia como um todo”, analisou.

Para economizar, Fernando afirmou que a pesquisa e o planejamento são muitos importantes, seja em agências de viagens, como em sites de hospedagem.

“Busque opiniões de pessoas que já foram para o local, veja a avaliação das empresas e sites e fique atento aos preços para o barato não sair caro”.

Fernando explicou ainda que é preciso planejar para que a viagem saia como o ocorrido. Por isso, é preciso considerar quantas pessoas irão, se a viagem terá a presença de crianças ou não e qual o orçamento da família para o lazer.

“O planejamento ideal antes da pandemia era comprar o pacote de viagem com 3, 4 meses de antecedência, porém, com a pandemia, muitos ficam receosos em comparem antes pelo fato da viagem ter a possibilidade de ser adiada ou remarcada. Tem que estar sempre pesquisando”, relatou.

No caso de viagens por via área, o economista deu uma dica: “Fique de olho em sites das companhias aéreas e aplicativos específicos de milhas para que a passagem saia em um preço acessível”, concluiu.

Agências orientam quanto aos cuidados com a Covid-19

A reportagem perguntou para as 3 agências de viagem quais as orientações quanto aos cuidados com a Covid-19. Veja o que cada um dos locais listou.

  • Realização do exame PCR;
  • Comprovante de vacinação.

Além disso, a empresa informou que as companhias aéreas enviam notificações sobre os cuidados na hora de viajar e que são repassadas aos clientes.

Cláudia afirmou que todos os destinos estão 100% alinhados com os protocolos de segurança sanitária, inclusive os hotéis e outros prestadores de serviço, como os que são responsáveis por recepcionar os clientes na chegada aos destinos.

“Todos os viajantes são informados destes protocolos e a postura durante a viagem deverá ser em consonância com os mesmos. Todos os hotéis seguem protocolos para deixar o cliente seguro e confortável”, concluiu a gerente.

Segundo a proprietária, todas as informações sobre os protocolos sanitários são passadas aos clientes.

“Nas viagens rodoviárias que montamos exigimos máscaras dentro dos veículos e disponibilizamos álcool em gel para todos os clientes. Além disso, sempre procuramos hotéis bem classificados em termos de higienização”, concluiu Miriam.

Médico faz orientações

Ao G1, o médico infectologista Marcos Moura falou sobre os riscos de viajar e os cuidados pré, durante e pós viagem.

Quanto aos riscos, o especialista explicou que a população deve ficar atenta aos destinos.

“O risco é ir para um local em que a taxa vacinal está baixa ou que a pessoa que está indo viajar não esteja completamente imunizada. Além disso, em diversas regiões do país estamos com alta taxa da variante delta, então é algo que deve-se ficar atento”, afirmou Marcos.

Sobre os cuidados antes, durante e depois da viagem, o infectologista afirmou que os viajantes devem ficar atentos a sintomas e manterem as medidas de prevenção.

“Na pré viagem, as pessoas que estão sintomáticas devem evitar viajar porque podem contaminar outras pessoas, principalmente as que estão com sintomas respiratórios. Essa pessoa deve cumprir uma quarentena domiciliar e só viajar quando estiver saudável”, afirmou o médico.

“Recomenda-se que os destinos sejam lugares abertos, onde não haja aglomerações. O ideal são praias mais calmas ou serras mais distantes”. O médico orientou ainda que o ideal é não usar transporte coletivo e que os turistas devem ficar atentos aos protocolos dos hotéis, como o uso de máscaras por funcionários e hóspedes, além da capacidade dos locais.

Em relação às crianças, Marcos citou que mesmo o isolamento sendo algo mais difícil nesta faixa etária, o ideal é que as brincadeiras sejam feitas em lugares abertos, com maior circulação de ar.

“Vale lembrar que todo o tempo deve-se manter a higienização, tomar banho quando chegar, retirar a máscara só após tirar a roupa, manter o distanciamento e evitar locais muito cheios”.

O médico informou ainda que ao chegar de viagem é importante fazer a testagem e, em caso de algum sintoma, realizar a quarentena domiciliar.

3 de 3 Uso de máscaras dentro de aviões é obrigatório — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Uso de máscaras dentro de aviões é obrigatório — Foto: GETTY IMAGES via BBC

VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes


Fonte: G1 – Zona da Mata

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo