Natureza

Conta de luz continuará em agosto com taxa extra mais elevada, informa Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira (30) que a conta de luz continuará em agosto com a taxa extra mais elevada.

Portanto, com a decisão, seguirá em vigor a bandeira tarifária vermelha patamar 2, na qual são cobrados R$ 9,49 a mais na conta de luz a cada 100 quilowatts/hora (kWh) consumidos.

O valor de R$ 9,49 é 52% superior ao registrado em junho, quando a bandeira vermelha 2 também estava em vigor e custava R$ 6,24 a mais a cada 100 kWh. O valo foi reajustado a partir de julho.

Há, ainda, a possibilidade de a agência subir novamente o valor da bandeira vermelha 2. Uma consulta pública foi aberta neste mês para decidir se a taxa dessa bandeira continuará em R$ 9,49 por 100 kWh ou se aumentará para R$ 11,5 por cada 100 kWh, em virtude da pior crise hídrica dos últimos 91 anos.

Essa consulta pública foi encerrada em 30 de julho. Agora, a área técnica vai emitir seu parecer e o processo será levado para decisão da diretoria colegiada da Aneel. Ainda não tem data para isso acontecer.

Conforme informou a colunista do G1 Ana Flor, a tendência era os diretores da agência manterem o valor de R$ 9,49 para atender o governo.

Reservatórios de água estão baixos em 10 estados no Brasil

Segundo projeções da área técnica da Aneel, a tendência é que a bandeira vermelha patamar 2 vigore até novembro nas contas de luz. O motivo é o baixo nível de reservatórios das usinas hidrelétricas, fruto do mais seco período chuvoso em 91 anos, registrado de novembro de 2020 a abril de 2021.

Até quinta-feira (29), os reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste – responsáveis por cerca de 70% da capacidade de geração de energia do país – estavam em níveis muito baixos: 26,14%, de acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Para efeitos de comparação, o nível água dos reservatórios em 2001, quando o país passou por um racionamento de energia, era de cerca de 27% em julho daquele ano. O ONS acredita que os reservatórios podem cair para 10% da sua capacidade até novembro deste ano, pois estamos no período seco (chuvas escassas).

Para evitar o esvaziamento completo dos reservatórios e garantir o fornecimento de energia, as usinas termelétricas têm sido acionadas. Porém, são mais poluentes e mais caras se comparadas às usinas hidrelétricas.

O aumento no custo da geração de energia é repassado para os consumidores através das bandeiras tarifárias e, se necessário, nos reajustes anuais de cada distribuidora de energia.

Apesar do baixo nível dos reservatórios, o governo descarta racionamento de energia em 2021.

1 de 1 Entenda as bandeiras tarifárias — Foto: Arte G1

Entenda as bandeiras tarifárias — Foto: Arte G1

Como funciona o sistema de bandeiras tarifárias

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 para sinalizar o custo de geração de energia.

A bandeira fica na cor verde quando o nível dos reservatórios está alto e não há necessidade de acionamento extra de usinas térmicas. Nesse caso, não há cobrança adicional na conta de luz.

Com os reservatórios baixos, a perspectiva é de alta no custo da energia já que exige o acionamento de mais térmicas. Assim, a bandeira pode passar para as cores amarela e vermelha (patamar 1 ou 2), em que há o custo extra.

Antes do sistema de bandeiras, o custo do acionamento das térmicas era repassado atrasado, somente no ajuste anual das tarifas, o que acarretava na cobrança de juros e correção monetária, penalizando o consumidor.

Ouça o episódio do podcast O Assunto sobre o “Endividamento recorde do brasileiro”:


Fonte: G1 – Economia

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo