Mundo

Guiné: golpistas convocam ex-ministros para reunião e dizem que ausência será encarada como rebelião

Os militares que deram um golpe de Estado em Guiné convocaram, nesta segunda-feira (6), os ministros do governo que eles derrubaram.

O golpe de Estado de domingo foi condenado pela comunidade internacional mas celebrado na capital, Conacri. Os militares capturaram o presidente Alpha Condé e anunciaram a dissolução das instituições.

1 de 1 Militares de Guiné em ponto de controle — Foto: Souleymane Camara/Reuters

Militares de Guiné em ponto de controle — Foto: Souleymane Camara/Reuters

Os militares que lideraram o golpe convocaram os ministros e presidentes das instituições que para uma reunião nesta segunda-feira no Palácio do Povo, sede do Parlamento. “Qualquer recusa a comparecer será considerada uma rebelião”, alertaram.

As ruas da capital guineense ficaram vazia nesta segunda-feira. Os militares instalaram barricadas nas entradas do centro, e soldados armados barravam as pessoas de se aproximarem do palácio presidencial. Muitas lojas estavam fechadas e o mercado central de Medina, sempre movimentado, parecia inativo.

A tranquilidade só foi interrompida por aplausos de alguns vizinhos à medida que os veículos militares passavam.

Um grupo de pessoas que faziam oposição ao governo derrubado afirmou que seus membros presos seriam libertados nesta manhã.

As forças especiais guineanas, lideradas por seu comandante, o tenente-coronel Mamady Dumbuya, afirmaram no domingo que capturaram o chefe de Estado para acabar com o que chamaram de “desperdício financeiro, pobreza e corrupção endêmica”, assim como “a instrumentalização da justiça e o desprezo dos direitos dos cidadãos”.

Os golpistas divulgaram um vídeo do presidente Condé, de 83 anos, vestido com jeans e camisa, sentado em um sofá. Eles afirmaram que o chefe de Estado deposto está bem de saúde e é tratado corretamente.

No domingo, os militares proclamaram a dissolução do governo, das instituições e da Constituição, que Condé promulgou em 2020 e utilizou para disputar, no mesmo ano, o terceiro mandato. Houve meses de protestos contra esse terceiro mandato, no entanto.

Os golpistas prometeram um período de transição, ao estilo do vizinho Mali. Ao mesmo tempo, no entanto, anunciaram um toque de recolher e fecharam as fronteiras aéreas e terrestres.

Durante a noite, eles anunciaram na televisão a substituição dos ministros pelos secretários-gerais de cada pasta, assim como de prefeitos, subprefeitos e governadores regionais por militares. E pediram aos funcionários públicos que retornem ao trabalho na segunda-feira”.

Condenações internacionais

O golpe de Estado aconteceu após meses de grave crise econômica e política no país. Condé governava desde 2010, mas estava cada vez mais isolado politicamente.

Durante décadas, esta nação pobre, apesar dos recursos minerais e hidrológicos, foi governada desde sua independência em 1958 por regimes autoritários ou ditatoriais.

Este é o terceiro golpe de Estado na região da África subsaariana no período de um ano, depois do Mali ainda em 2020 e do Chade em 2021.

Até o momento não foram registradas mortes, apesar dos tiros ouvidos na manhã de domingo na capital. E nenhum incidente grave foi registrado na madrugada de segunda-feira.

O golpe, que representa o fim de uma década do regime de Condé, provocou cenas de comemoração em vários pontos da capital, principalmente nos bairros favoráveis à oposição.

O golpe recebeu ampla condenação internacional. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, a União Africana, a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e a União Europeia criticaram a ação dos militares.

O governo dos Estados Unidos também criticou o golpe e advertiu que poderia “limitar” a capacidade americana de ajudar Guiné.

Veja os vídeos mais assistidos do G1


Fonte: G1 – Mundo

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo