Mundo

10 são indiciados no Irã por queda de avião ucraniano que matou 185

O anúncio ocorre após duras críticas internacionais ao relatório final da queda, que apontava erro humano, mas sem responsabilizar ninguém pelo incidente, e a negociações sobre o acordo nuclear (veja mais abaixo).

Os nomes dos indiciados não foram divulgados.

Um avião Boeing 737 caiu logo após decolar do aeroporto de Teerã, capital do Irã, em 8 de janeiro do ano passado. A aeronave ucraniana transportava 176 passageiros e 9 tripulantes e ninguém sobreviveu.

Havia pessoas de 7 nacionalidades no voo: 82 do Irã, 63 do Canadá, 11 da Ucrânia (incluindo os 9 tripulantes), 10 da Suécia, 4 do Afeganistão, 3 do Reino Unido e 3 da Alemanha.

2 de 3 Investigador forense trabalha no local da queda de avião ucraniano no Irã em meio a corpos nesta quarta-feira (8) — Foto: AP Photo/Ebrahim Noroozi

Investigador forense trabalha no local da queda de avião ucraniano no Irã em meio a corpos nesta quarta-feira (8) — Foto: AP Photo/Ebrahim Noroozi

O voo PS752 da Ukraine International Airlines partiu às 6h12 (horário local) do Aeroporto Imam Khomeini e tinha como destino o Aeroporto Internacional Boryspil, em Kiev, capital da Ucrânia.

O anúncio é feito horas antes de o governo iraniano negociar com potências mundiais o acordo nuclear que foi assinado em 2015 e abandonado pelos Estados Unidos em 2018.

Autoridades do país vão participar de um encontro hoje em Viena, capital da Áustria, com representantes de China, Rússia, França, Alemanha e Reino Unido.

Nesta terça, o porta-voz do governo iraniano considerou “promissoras” as declarações de autoridades americanas sugerindo a suspensão das sanções impostas ao país quando os EUA deixaram o acordo nuclear.

“Consideramos esta posição realista e promissora”, disse Ali Rabii, porta-voz do governo, em uma entrevista coletiva em Teerã. “Esta posição poderia ser o início da correção do mau processo que levou a diplomacia a um beco sem saída”.

Avião ucraniano com 176 passageiros a bordo cai perto do Aeroporto de Teerã

A tragédia em janeiro do ano passado ocorreu poucas horas após o Irã ter disparado mísseis contra duas bases aéreas que abrigam tropas dos Estados Unidos no Iraque, em resposta à morte do general Qassem Soleimani.

Após três dias de negação e em face de evidências crescentes, o Irã finalmente reconheceu que a Guarda Revolucionária havia derrubado o avião por engano com dois mísseis terra-ar. Relatórios culparam um operador de defesa aérea de confundir o Boeing com um míssil de cruzeiro americano.

3 de 3 Foto de 11 de janeiro de 2020 mostra pessoas reunidas para vigília à luz de velas em memória às vítimas do acidente do avião ucraniano no portão da Universidade Amri Kabir em Teerã — Foto: Ebrahim Noroozi/AP

Foto de 11 de janeiro de 2020 mostra pessoas reunidas para vigília à luz de velas em memória às vítimas do acidente do avião ucraniano no portão da Universidade Amri Kabir em Teerã — Foto: Ebrahim Noroozi/AP

VÍDEOS: as últimas notícias internacionais


Fonte: G1 – Mundo

Portal G1

Portal de Notícias da Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo