Arte & Cultura

Quem são os brasilienses: gerações

Criado em 15/04/20 22h38
e atualizado em 16/04/20 00h39

Foram necessários quase 60 anos para que, finalmente, o “planalto interior, centro geográfico do país, deserto”, como citou Juscelino Kubitschek no discurso de inauguração de Brasília, passasse a ter, na sua maioria, filhos da Capital Federal. O economista da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Juçânio Umbelinio de Souza, explica que passaram três gerações para que isso acontecesse.

Atualmente, a Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (2018) aponta que pouco mais que 1,5 milhão de residentes são naturais do Distrito Federal e eles representam 55% da população. Eu poderia me colocar como um exemplo, nascido aqui em Brasília no mês da inauguração, eu já tenho netos”, diz.

 

Assista ao vídeo

Confira outros capítulos da websérie

Ao longo dessas seis décadas, o comum era ver pessoas de diferentes lugares pela cidade, com diferentes culturas, sotaques e identidades, como a família dos pais da professora de ensino Waldorf, Vanessa Dias Madeira. “A minha avó, por parte de mãe, é cuiabana e o meu avô, o pai da minha mãe é português. A minha avó paterna é carioca e o meu avô é paulista. Então, sempre tive uma mistura bem forte, né? E eles tiveram os seus filhos aqui em Brasília, nasceram todos aqui em Brasília, e eu também nasci aqui”.

Família Madeira adotou Brasília para viver. “Acho que Brasília tem um poder de atração muito grande”. Foto: Reprodução

Segunda geração de brasiliense, ela lembra que era exceção entre os amigos, que na maioria tinham pais nascidos em outros estados, mas já percebe um aumento dessa população entre as crianças que convivem com seus dois filhos, Manuela e Otto, também nascidos em Brasília.

André Luiz Madeira, pai de Vanessa, conta que os pais se conheceram já em Brasília e que todos chegaram na cidade por causa de trabalho na construção da nova capital “Era o grande acontecimento da época e muito carente de mão de obra aí todo mundo veio para cá”.

E foi pela força de trabalho que tantos outros chegaram, mas não foi apenas o trabalho que fez com que ficassem, segundo Juçânio. “A perspectiva era de que finalizada essa etapa de construção da Brasília central, esses trabalhadores retornassem para os seus estados de origem, o que realmente não aconteceu. Acho que Brasília tem um poder de atração muito grande e os trabalhadores se encantaram com a região central, o céu azul, conhecido como o céu de brigadeiro e, realmente, Brasília encanta”, conclui.

_______________________________________________

 

Equipe de reportagem


Texto e produção: Fabíola Sinimbu 

Imagens: Jorge Monforte

Edição: Edgard Matsuki e Alessandra Esteves

Arte: Bruno Godinho

Finalização: Daniel Dresch

Creative Commons – CC BY 3.0




Fonte: Fonte: Agência Brasil

Mais

Agência Brasil

Agência pública de notícias vinculada à Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Informação, cidadania, educação e cultura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Entrar

Ou com Nome de Usuário

Esqueceu a senha?

Não tem uma conta? Cadastre-se

Esqueceu a senha?

Digite os dados da sua conta e você receberá um link para resetar sua senha.

Seu link para resetar senha está expirado ou é inválido.

Entrar

Política de Privacidade

Adicionar à Coleção

Não Há Coleções

Aqui você vai encontrar todas as coleções que você criou antes.