Economia

Veja como escolher um peixe de qualidade para a ceia de Páscoa

Extra
Tamanho do texto A A A

Na Semana Santa, muitos brasileiros costumam preparar pratos especiais à base de peixe. No entanto, selecionar um bom fruto do mar pode ser uma tarefa extremamente difícil para quem não mantém esse hábito de consumo no dia a dia. Por isso, o médico-veterinário André Medeiros, da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), ligada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, explica que para escolher um pescado de qualidade é preciso observar a sua aparência e o seu cheiro.

“É muito importante estarmos atentos a algumas qualidades do corpo do peixe antes de levarmos para casa, porque a sua deterioração é rápida”, explica Medeiros.

De acordo com o veterinário, os olhos do animal têm que estar para fora, com a cor translúcida; o cheiro tem que ser suave; a cor das guelras, que indicam se o peixe é fresco, devem ser rosadas e limpas; as escamas e nadadeiras firmes. A textura do dorso do peixe é outra característica importante: ao apertar com o dedo, a carne tem que voltar imediatamente.

A nutricionista Tatiana Novo, da Secretaria de Estado de Agricultura, acrescenta que os peixes têm um valor nutricional alto, confirmado por pesquisas científicas.

“Estudos têm associado o consumo de pescado com a redução de distúrbios crônicos não transmissíveis, como hipertensão arterial, doenças coronarianas e diabetes mellitus tipo 2, entre outros”, explica a profissional.

Veja uma receita da chefe de cozinha Bruna Percu Cardoso:

Peixe à Portuguesa:

Ingredientes:

– 500 gramas de batata inglesa

– 2 cebolas médias

– 600 gramas de filé de peixe (3 filés do peixe de sua preferência)

– 1 molho de couve ou brócolis

– 1 pimentão vermelho

– 3 dentes de alho

– Azeite a gosto

– Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:

– Tempere o peixe com limão, sal e pimenta e reserve.

– Coloque água para ferver: acrescente as batatas e as cebolas na fervura. Espere cozinhar, escorra e reserve. Guarde a água do cozimento.

– Com água reservada, coloque brócolis ou couve. Deixe apenas 2 minutos e retire.

– Em uma frigideira, refogue o pimentão junto com o alho.

– Coloque tudo dentro de uma travessa, na seguinte ordem: primeiro as batatas, depois cebola, brócolis ou couve, pimentão e alho refogados. Por último, coloque o peixe por cima e regue com azeite.

– Leve ao forno a 180 graus por 20 minutos.

Bom apetite!

Páscoa mais cara

Segundo pesquisa da FGV-IBRE, adiantada pela coluna do Ancelmo Gois, a cesta de Páscoa sofreu aumento médio de 29,17% em relação a 2020. A taxa é quase cinco vezes maior que a inflação acumulada entre abril de 2020 e março deste ano pelo IPC-M da FGV (5,74%.).

Itens tradicionais da época registraram aumento real em seus preços: bombons e chocolates subiram 9,49%; o bacalhau, 16,18%; o azeite, 12,62%; e o vinho, 6,48%.

Para não deixar de celebrar, o presidente da Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj), Fábio Queiróz, dá dicas de como substituir alguns itens:

Peixes nobres, como salmão e bacalhau, por serem importados, também sofrem impacto no preço devido à alta do dólar. Mas você pode substituí-los, com vantagens, por outros pescados encontrados no litoral brasileiro: uma sugestão é o cação, que é um peixe pouco calórico e deliciosa”.

Para quem for seguir o conselho, há opções no mercado. As lojas do Extra e do Pão de Açúcar, por exemplo, estão abastecidas com um dos protagonistas da celebração, o bacalhau, e também com outros produtos congelados: filé de panga, polaca, merluza, postas de cação, camarões e bacalhaus dessalgados.

Ainda há bolinho de “bacalhau” para vegetarianos, que tem textura, gosto e aparência de bacalhau, mas, na verdade, é feito de carne de jaca.

No Guanabara, produtos como chocolate, bacalhau, vinhos, carnes estarão com preços especiais até o dia 04 de abril. O quilo do bacalhau do porto, por exemplo, é vendido a R$ 58,98, já o do peixe salgado seco saith é comercializado a R$ 32,98.

Delivery pode ajudar nas vendas

Apesar de os preços dos peixes estarem mais altos, a Frescatto Company espera um crescimento de 60% nas vendas deste ano em relação a 2020, com a comercialização de 2.350 toneladas de pescados.

“Acreditamos que muitos de nossos clientes que trabalham com Food Service estejam mais preparados para o atendimento por delivery, levando uma experiência muito mais agradável para quem pede comida em casa. Além disso, no último ano, mais brasileiros incorporaram o hábito de cozinhar para a família, o que passou a ser uma programação para muitos”, explica o CEO da Frescatto Company e vice-presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca), Thiago De Luca.


Fonte: Fonte: Jornal Extra

Jornal Extra

Notícias sobre empregos, polícia, famosos, TV, futebol e Rio de Janeiro. Leia mais: http://extra.globo.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo